Alsácia, uma província perdida

Alsácia, uma província perdida


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Fechar

Título: França!! ou Alsácia e Lorena em desespero.

Autor: WEERTS Jean-Joseph (1847 - 1927)

Data de criação : 1906

Data mostrada:

Dimensões: Altura 170 - Largura 230

Técnica e outras indicações: Pintura a óleo sobre tela

Local de armazenamento: Site do Lorraine Museum of Nancy

Copyright do contato: © Musée Lorrain, Nancy - P. Mignot

França!! ou Alsácia e Lorena em desespero.

© Musée Lorrain, Nancy - P. Mignot

Data de publicação: março de 2016

Contexto histórico

Uma pintura patriótica - O tema das províncias perdidas

A anexação da Alsácia e parte da Lorena pela Alemanha em 1871 causou intenso choque emocional e intelectual. Os anos que se seguiram à derrota assistiram à proliferação de literatura ficcional, imagens e canções populares dedicadas a evocar o drama das províncias perdidas. Até cerca de 1890, o tema foi incansavelmente retomado pelos círculos nacionalistas e em particular pelos bulangistas.

Após uma calmaria de vários anos, ela reapareceu em 1905, como evidenciado por Charles Péguy. A Alsácia e a Lorena despertaram então uma onda patriótica alimentada por um espírito de vingança e um violento anti-germanismo.

Análise de imagem

Uma alegoria dramatizada exaltando o sentimento patriótico

Pintor acadêmico, Weerts estudou com Cabanel na Ecole des Beaux-Arts de Paris antes de embarcar na carreira de pintor de retratos e pintor de história. Várias de suas pinturas (Pela humanidade, pela pátria, 1895, e França vitoriosa, o castigo, 1918, Capela da Sorbonne, depósitos estaduais) mostram o quanto o tema do sentimento patriótico o assombrava. Mantendo-se fiel à sua formação acadêmica, pintou, com o sentido dramático que o caracteriza, temas enraizados na realidade de seu tempo.

Na paisagem escurecida de um campo devastado pela guerra, o pintor retratou duas belas moças, alegorias da Alsácia e da Lorena. Enquanto uma cobre o rosto num gesto teatral para esconder as lágrimas, a outra, com os olhos erguidos para o céu, parece implorar a intervenção de Deus. Dentro de um arranjo geral em forma de friso, as duas figuras são inscritas em uma série de triângulos dos quais escapa um braço estendido na direção do sinal "França", que simboliza a fronteira. A mão, localizada logo acima da Catedral de Estrasburgo, o designa claramente.

Muitos pintores evocaram a imagem das províncias perdidas, na maioria das vezes na forma de duas mulheres individualizadas, vestidas com seus respectivos trajes regionais. Weerts escolheu uma representação menos acadêmica: nada pode distinguir Alsácia de Lorraine, e as duas províncias estão associadas na mesma desgraça e na mesma esperança. Assim, ele adotou a concepção da França vista como um conjunto de entidades diferentes, mas convergentes, que então formavam a base de todo ensino e discurso patriótico.

Interpretação

Uma perda difícil de esquecer

Até a reunificação em 1918, a questão da perda da Alsácia e da Lorena era regularmente debatida em um clima de paixão que exaltava a glória e a grandeza nacionais.

Pintado em 1905, esta pintura testemunha um renascimento do patriotismo francês e o "despertar" de uma fração da opinião pública e intelectual. Este sentimento nacional, exaltado em particular por Charles Péguy em Nosso país publicado no mesmo ano, vai muito além das fileiras da direita não parlamentar. O discurso de Guilherme II em Tânger em 1905, as voltas e reviravoltas da primeira crise marroquina que se seguiu e a nova ameaça alemã de 1911 foram todos episódios que mostram como os franceses não podiam aceitar a durabilidade da fronteira de 1871.

  • alegoria
  • Alsace Lorraine
  • nacionalismo
  • Peguy (Charles)
  • boulangisme
  • patriotismo
  • anti-germanismo
  • imagens populares
  • imaginação coletiva
  • anexação

Bibliografia

C. ACHERE, ““ França !! ou Alsácia e Lorraine em desespero "Uma pintura de J.-J. Weerts no Musée Lorrain", Região da Lorena, no 3, julho-setembro de 1997.

Jean-Marie MAYEUR, "Uma memória de fronteira: Alsácia", t. 2, no Pierre NORA (dir.), Lugar memorial, Paris, Gallimard, 1988, reed. col. "Quarto", 1997.

François ROTH, A guerra de 70, Paris, Fayard, 1990.

COLETIVO, Jean-Joseph Weerts: pintura histórica e retratos, catálogo da exposição no museu Roubaix, Editions du Musée de Roubaix, 1989.

Para citar este artigo

Sabine BOUCHY DU PALUT, "Alsácia, uma província perdida"


Vídeo: Sainte-Beuve